Categoria: política do cotidiano

Sobre jogar fora seu pet no Ribeirão Arrudas

Muitos que frequentam o Agachamento sabem que faço cotidianamente um “exercício antropológico” diante da TV aberta… Tenho visto matérias sobre pessoas que cansam de seus animais de estimação e os jogam fora: aqui em Belo Horizonte, acontecimento visto no Ribeirão…

Um pós-doutorado de faz de conta existe?

  Pós-doutorado sobre isso: Sim, meu pós-doutorado é sobre “bonecas na rede”. Ou ainda, “bonecas deitadas na rede feita de Máscara Covid”. Ou então: “bonecas em rede”. Talvez melhor assim: “bonecas e bonecos, uni-vos!”. Acho que pode ser: “Macunaíma somos…

Aperitivos fenomenológicos

Sobre a docência na pós-graduação em Artes Ontem terminou minha disciplina na pós-graduação da Escola de Belas Artes da UFMG. Foram dez semanas de três horas-aula a cada semana; foi a sexta versão do curso “Poéticas próprias, performances narrativas e…

Sobre a palavra estimação

Implico muito com a substituição da expressão “animal de estimação” por pet. Não sei bem quando foi que isso aconteceu… certamente tem a ver com a explosão das lojas chamadas Pet Shop, e a “globalização”!, e as redes sociais… Enfim,…

Espelho, espelho meu

Senti vontade de continuar a “rabiscar com Winnicott”… especialmente para que o leitor se interesse pela obra do psicanalista e compreenda como é importante o “brincar livre e criativo”! Encontrei no livro Limite e Espaço / Uma introdução à obra…

Ações de não-adoecimento

Namorinho de portão, bem sucedido Durante o primeiro semestre de 2018, pratiquei o “namorinho de portão” com o professor da FaE Vinícius Lírio. Para os mais novos (que não sabem do que se trata): namorar no portão era uma prática…

Viva o desmame!

Sobre a amamentação tardia (nas culturas urbanas) Tenho percebido, na nova geração de mães, uma das tendências ser a amamentação “até sempre”… ou seja, até o menino ou a menina “quiserem”… Todos sabem que meus pés que se agacham caminham…

Para ler na volta às aulas

Compartilho aqui com os leitores do Agachamento um texto meu que achei em arquivos do laptop antigo, para a seleção de emprego em uma importante editora em São Paulo, escrito em 2010. Vejam se não é próprio para a volta…