Quem viu o jogo?

(Des)informação Global

Ontem, dia 17 de junho de 2013, estive bastante presente diante da televisão na programação da “Globo News” (praticamente das 18:00 hs à meia-noite, quase seis horas seguidas); estou em Belo Horizonte e meu filho mora em São Paulo; eu estava bem apreensiva com o que acontecia pelas ruas, e não havia conseguido falar com ele por telefone.

Foi muito interessante e “pedagógico” o que vi diante de minha televisão: jornalistas aparentemente super-experientes despreparados para “comentar”, pasmos com o número de pessoas aumentando em progressão nunca vista, e seus dizeres beiravam o simplismo (duvidando de um protesto de milhares de pessoas nas ruas “por vinte centavos”!?). As mulheres (mães como eu? rs) aderiram ao maniqueísmo no uso dos termos “pacifismo” versus “vandalismo”, revelando enorme despreparo para ler o momento atual. Encontro há pouco esta imagem no site do Digestivo Cultural:

imagem de junho de 2013

Chego em casa, 18 de junho, ligo novamente a televisão. Ah! Consultores “especialistas”, bastante bem comportados, advindos das melhores universidades… agora comentam “por eles”, jornalistas, e “para nós”, espectadores – o sentido das manifestações, uma vez que… os jornalistas não possuem bagagem para tal!? (E nós?)

Talvez os jornalistas brasileiros poderiam aprender muito com os seus colegas de profissão portugueses. Ao menos no final da década de 1990, quando estive por lá, os jornalistas na televisão espantosamente mostravam uma atitude respeitosa e “lenta” com entrevistados de todos os tipos, revelando um tipo de escuta muito própria da psicanálise por exemplo: a de “via longa”. Faz parte desta escuta: saber dar tempo ao entrevistado; ser capaz de suportar bem o silêncio e ainda mais o conflito, especialmente quando ao vivo e a cores; buscar e respeitar os mais diversos pontos de vista.

Os jornalistas mainstream poderiam descer do Globocob… de modo a compreender as cidades e os cidadãos, “por eles mesmos” – então, entrariam no próprio espírito das manifestações, sentindo-se mais inteligentes e livres, para praticarem sua profissão com liberdade de expressão! (pois parecem sempre pisar em ovos), tirando a roupa de marca! (De noite de pijama?!). Despindo-se, também e especialmente, da famigerada neutralidade suspeita. Sem perderem seus empregos.

Na Band News ontem a cobertura estava mais interessante, porque “bagunçada”; a TV Cultura, retransmitida para canais Educativos, convidou dois jovens líderes para o Programa Roda Viva, ao vivo. Uma boa ideia, mas ali também os jornalistas se mostraram tensos, paternalistas e muito impregnados pela “velha lógica”, com dificuldade para digerir esta novidade que saiu à rua.

 

 

 

1 comment for “Quem viu o jogo?

  1. 19 de junho de 2013 at 12:24

    Gostei!Curti!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


4 + = dez