Categoria: (auto) biografia

Re-conheci Regina Casé

Re-conheça Regina Casé você também Alguns dias atrás assisti ao filme de Anna Muylaert chamado “Que horas ela volta?”. O filme está bastante comentado e divulgado; aqui, gostaria de dizer algo sobre a atuação de Regina Casé, como a empregada…

Bonita, mas irremediável

Três anos nas Geraes Hoje, 6 de junho de 2015, completo 3 anos de “migração”. Cheguei em Belo Horizonte no dia 6 de junho de 2012, véspera do feriado de Corpus Christi daquele ano. Fui acolhida por minha prima –…

Pitadas de autobiografia

Nunca fui uma loirinha-de-olho-azul Ainda em ressonância/consonância com a postagem anterior, gostaria de dizer algo sobre ser um eu arvorado. Um eu arvorado fica desarvorado quando se angustia ou enraivece…? Ta lá, no dicionário Caldas Aulette da internet, três significados…

Um eu arvorado

Esta imagem está no livro Roland Barthes por Roland Barthes (São Paulo: Estação Liberdade, 2003); ela foi reproduzida, provavelmente a partir da impressão em papel, da Enciclopédia organizada por Diderot entre 1750 e 1765. A legenda de Barthes para a…

Banzo na primeira infância

Sou filha de uma psiquiatra. Não qualquer psiquiatra; uma psiquiatra de crianças, responsável pela implementação do setor infanto-juvenil no Hospital das Clínicas de São Paulo, nos anos de 1955-1960, mais ou menos mesmo período em que ela gerou cinco filhos,…

Visitas no leito

Pais idosos, filhos adultos Da mesma forma como não amarramos os sapatos dos filhos a vida inteira – um dia ensinamos – precisamos saber ver nossos pais envelhecerem. Não torná-los nossos filhos concretamente, talvez apenas metaforicamente: não são crianças nem…

A forma é conteúdo

Corpo encarnado [de conceitos] A partir das minhas ‘aulas’, ou atos performativos em Uberlândia, pensei em registrar aqui como penso-sinto-faço as formas-conteúdo que preparo para ‘apresentar’, para presentificar algo sobre coisas que estudo e pratico. Este modo de fazer tem…